Meu whisky e meus balboas.

Uma rápida história sobre esta mini garrafinha de Chivas Regal.

Em 2011 eu fiz uma viagem para Nova York pela Copa Airlines, companhia aérea panamenha. A conexão obrigatoriamente seria no aeroporto da Cidade do Panamá, assim como em qualquer voo internacional da Copa Airlines. Pesquisando as passagens, constatei que havia a possibilidade de fazer um stopover na Cidade do Panamá sem nenhum custo extra. Desconheço a tradução desse termo em português, mas explicando: stopover é a conexão na qual o passageiro passa um tempo da cidade onde ele supostamente só ficaria no aeroporto, como se fosse uma LONGA CONEXÃO VOLUNTÁRIA.

A minha viagem de 10 dias em Nova York se transformou em 8 dias em Nova York e 2 dias na Cidade do Panamá. Foi divertido por lá, mas não é o foco do post.

No último dia de viagem, já no aeroporto da Cidade do Panamá, prestes a voltar para o Brasil, percebi que eu não tinha nenhuma moeda de BALBOA para a minha coleção de moedas que eu trago de viagens. Balboa é a moeda local panamenha, que está indexada ao dólar. 1 balboa vale 1 dólar. É como se fosse a mesma moeda. Justamente por causa disso, quase todas as moedas que circulam pelo país são de dólar; a balboa é aceita, lógico, mas existe em menos quantidade. Cédulas de balboa, por sua vez, não existem impressas.

Mas eu queria porque queria levar algumas moedas de balboa pra casa. Então, instantes antes do meu embarque definitivo, peguei minha última nota de 10 dólares e saí procurando pelo aeroporto alguma lojinha onde eu pudesse comprar qualquer cacareco, DESDE QUE me dessem o troco em balboas.

Lá pela 5ª lojinha, encontrei um lugar onde tinham balboas para me dar de troco. Agora eu precisava achar algo com o mínimo de utilidade que custasse menos de 10 dólares.

Foi quando me deparei com esse whisky Chivas Regal 12 anos de 50 ml. O preço está ali na etiqueta, U$ 3,60. Não me lembro exatamente como foi o troco – talvez eu tenha recebido algumas notas de 1 dólar. Mas minhas moedas de balboas estavam, por fim, garantidas.

O whisky eu guardo até hoje. Estou pensando em algum momento emblemático para bebê-lo. Talvez na estreia da seleção do Panamá na próxima Copa do Mundo, que eles disputarão pela 1ª vez. Pode ser, boa ideia. Pensei agora.

Chivas Panama edit

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s