KUBICA

Caramba, me deu um pavor quando eu vi o acidente do Kubica na corrida de Fórmula 1 de hoje. Jurei que o cara tinha morrido. Ele voou, bateu no muro, foi se arrastando/capotando pela pista, bateu no muro do outro lado, deu mais uma capotadinha e parou DE LADO, sem nenhum sinal de vida. MUITO pior que o acidente do Senna (sim, todos sabemos que o Senna morreu não da batida no muro, e sim porque um pedaço do carro entrou em seu capacete. Mas só estou fazendo uma simples comparação).

Depois mostraram uma entrevista da assessoria de imprensa da BMW dizendo que sua situação era ESTÁVEL. Uma repórter perguntou se “estável” significava “consciente”, e a assessora falou: “estável”. Ali eu pensei: “Morreu certo!”

Felizmente, novas notícias davam conta de que Kubica estava bem e apenas havia quebrado uma perna.

Mas o que importa é que, depois de um certo tempo, eu finalmente consegui me envolver emocionalmente em uma corrida de Fórmula 1. Disputa de posições, carros fora da pista, desclassificações. Fazia tempo que não me sentia assim, desde a época do supracitado Ayrton.

Rubens Barrichello ostentava a terceira posição até algumas voltas para o final, mas precisou fazer um pit-stop no final e acabou em último. Hoje mesmo, durante a narração, citaram o fato de que o Barrichello dificilmente erra. Realmente. Ele só é, simplesmente, o cara mais azarado do mundo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s